Fale Conosco

Comportamento

Jovens realizam “batalha” na praça

De várias cidades da região, eles se reúnem para um enfrentamento musical

Publicado

em

Jovens de várias cidades da região se reúnem mensalmente no coreto da praça Getúlio Vargas, na área central de Campo Mourão, para uma “batalha” musical. O enfrentamento ocorre desde 2016 e serve de cenário para difusão do movimento hip-hop no município. “Batalha do Coreto” é um evento idealizado pelo rapper e produtor cultural Cleverson “Careca”.

“Careca”, como é conhecido no meio cultural, conta que a ideia do evento surgiu quando ele estava ministrando uma oficina de hip-hop no centro da juventude. Em uma conversa com seus alunos sobre a carência de espaços para o rap na cidade, ele, que trabalha com o estilo musical há mais de 10 anos, lembrou-se do coreto da praça central, cujo formato lhe remetia ao de um ringue de luta. Em setembro de 2016 acontecia a primeira edição da “Batalha do Coreto”, como foi batizado o evento.

O organizador, responsável por resolver as burocracias necessárias para que a batalha aconteça, revela que ela começou de maneira tímida, contando apenas com a presença de alguns MC’s, jurados e equipamentos, como caixa de som e pick-ups, emprestados dos próprios colaboradores envolvidos.

A partir de sua terceira edição, o evento conseguiu se expandir e atrair públicos de outras cidades vizinhas. Na última edição, que ocorreu no início de outubro, a batalha recebeu rappers, DJs, MC’s e amantes do hip-hop das cidades de Maringá, Cianorte, Sarandi, Goioerê e Engenheiro Beltrão.

O rapper “Plim”, 18 anos, de Engenheiro Beltrão, é o vencedor da 6ª edição da batalha. Com presença garantida em todos encontros, Plim explica que sua cidade não oferece muito espaço pra cultura hip-hop, e que por isso, ele e seus colegas, com os quais integra o grupo de rap “Princípio”, frequentam o evento como forma de divulgar o seu trabalho.

A Batalha

A Batalha do Coreto acontece de acordo com a demanda do público, não tendo um cronograma pré-montado, afirma Careca. O evento funciona com a mesma estrutura de um campeonato futebolístico, com semifinal e final. Começa com 16 MC’s divididos em oito duplas de adversários, tendo cada um 40 segundos para desenvolver o melhor conjunto de rima e técnica na modalidade freestyle – estilo no qual o rapper cria livremente sua rima tendo como base uma batida escolhida em cima da hora pelo DJ.

A decisão fica por conta dos juízes e também da platéia, que através de gritos e aplausos trazem emoção a disputa. Quando o clima entre os participantes esquenta e as letras se tornam mais pesadas, Careca faz questão de lembrar: ”A brincadeira é na batalha, aqui o respeito tem que prevalecer”.

A premiação para primeiro colocado acontece de acordo com o valor acumulado com as inscrições dos participantes, que geralmente tem o custo de cinco reais, e também, como vem acontecendo nas últimas edições, com produtos patrocinados por lojas parceiras.

 

Comente

Comentários