Fale Conosco

Cotidiano

Time de robôs vai disputar partida de futebol com campeões do mundo

Um projeto na Unicamp ensina robôs a jogar futebol imitando movimentos humanos

Publicado

em

Fot:Valdecir Becker/RoboCup/UFPB
Robôs disputam partida de futebol

Jogadas e técnicas do futebol praticadas por atletas e amadores desde a infância estão sendo ensinadas para um time de robôs de um projeto desenvolvido pela Universidade de Campinas (Unicamp), em conjunto com Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Com o uso de diversos tipos de processos de aprendizagem, os robôs têm aprendido a andar, chutar e levantar.

A pesquisadora e professora da Unicamp, Esther Luna Colombini, conta que os robôs são estimulados em ambientes com simuladores de alta fidelidade, introduzindo algoritmos de aprendizagem e transferindo os movimentos humanos para os robôs reais. “O robô interage com o mundo e aprende como se comportar da melhor forma, de acordo com o que a gente quer, como correr, andar, pegar alguma coisa,” explica.

O trabalho reúne sistemas cognitivos que fazem os robôs aprenderem a enxergar as coisas, a se comportar e a tomar as decisões corretas, retransmitindo e aperfeiçoando esses comportamentos. “A gente escreve algoritmos de aprendizado por reforço para que eles aprendam como realizar determinadas tarefas”, diz a pesquisadora.

A ideia do projeto vai além da prática do futebol. Segundo Esther, as técnicas são experimentadas e estudadas dentro desse contexto porque é complexo, mas podem ser transferidas para outras áreas da ciência. Ela cita como exemplo que o sistema usado para o robô se localizar dentro de campo pode ser aplicado em robôs para fazer a limpeza de uma casa ou para identificar desmatamento em uma área. “Muitas vezes o uso não é direto, mas as técnicas são usadas para cenários parecidos”, comentou.

 

Robôs vão enfrentar campeões do mundo

Segundo a pesquisadora, o futebol de robôs é uma tarefa extremamente complicada. “O robô tem que saber quem ele é, onde ele está, como se locomove, quem é adversário, quem não é. Então, um dos maiores desafios da inteligência artificial no momento é ter um time de robôs humanoides jogando sozinho o futebol de robôs.”

O que parece ideia de filme de ficção já tem data para se tornar realidade. Segundo Esther, em 2050, um time de robôs humanoides totalmente autônomos vai enfrentar a equipe humana campeã da Copa do Mundo de 2050.

“O desafio foi proposto há 20 anos, quando o Deep Blue ganhou do Garry Kasparov no xadrez. Esse era o grande desafio da inteligência artificial. Então a RoboCup, uma federação internacional formada por um grupo de professores de inteligência artificial, propôs esse novo desafio, o time de robôs vencer os campeões da Fifa em 2050”, comentou. (Com informações de Ludmilla Souza, repórter da Agência Brasil).

Comente

Comentários