Fale Conosco

Política

Pré-candidato, Evaldo diz que Tauillo é “grande administrador”, mas desaprova gestão

Ex-candidato a prefeito defende greve e manifestações como forma de conquistar direitos

Publicado

em

O candidato a prefeito de Campo Mourão pelo Partido Socialismo e Liberdade (Psol) nas eleições de 2016, professor Evaldo Bertoldi, agora é pré-candidato a deputado estadual. Em entrevista ao I44 News, ele comentou a respeito das ideias do partido, consideradas radicais, e também como avalia os governos municipal, estadual e federal. Apesar de considerar Tauillo Tezelli um “grande administrador”, não aprova sua gestão atual. “Um um governo para poucos”, foi a frase que usou para definir a administração de Beto Richa. Disse que Lula vendeu a alma ao diabo, criticou Dilma, o PT e afirmou que Michel Temer “foi usado como boi de piranha” pelo capital financeiro.

Caso sua candidatura se confirme e seja eleito deputado estadual, disse que sua prioridade seria, além dos trabalhadores e minorias sociais, a defesa da autonomia financeira das universidades e também das escolas públicas estaduais. “A escola pública está sucateada, ela não tem estrutura, ela não tem pessoal. E quando você vai para o ensino superior (público), porque que ele é bom? Por causa da autonomia das universidades”, comentou. O professor falou também sobre os pré-candidatos do partido para a presidência da república. Ao final, ele aceitou um “jogo rápido” onde respondeu com uma palavra ou frase o que pensa sobre personalidades e situações como Bolsonaro, agronegócio, pena de morte, aborto e outros temas.

Nas eleições municipais, em 2016, Bertoldi recebeu 1144 votos (2,8%) e ficou em último lugar na disputa. A legenda, de acordo com informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tem apenas nove filiados registrados em Campo Mourão. Ainda assim, ele acredita na possibilidade de ser eleito e disse que, para conseguir os votos necessários depois de confirmada sua candidatura, uma das prioridades do Psol é “trazer mais pessoas para se filiar ao partido”. Bertoldi tem 49 anos, é formado em Farmácia, especialista em farmacologia e possui licenciatura em Química. É professor da rede estadual de educação há mais de 20 anos e lecionou em faculdades e universidade. Trabalhou em hospitais e farmácias como farmacêutico. Na Santa Casa de Campo Mourão foi diretor técnico. Confira a entrevista.

I44 News: O senhor fez pouco mais que mil votos como candidato a prefeito, como pretende conseguir votos para se eleger deputado estadual?

Professor Evaldo: O nosso partido é um partido em construção. Tem algumas pessoas que estão vindo conversar comigo com algumas ideias para a gente começar a trabalhar neste sentido. Porque não pode fazer um trabalho do Evaldo pré-candidato, mas o partido, sim, pode. Então as estratégias são, primeiro, chamar pessoas que tenham alguma afinidade com o nosso partido. A princípio vai ser isso, trazer mais pessoas para se filiar ao partido. E depois, claro, a gente já tem alguns esboços, fazer um plano sobre essa questão. Não tem nada ainda definido.

I44 News: Caso seja eleito, qual seria seu primeiro projeto ou a prioridade de sua atuação na Alep?

Professor Evaldo: Nós, que somos trabalhadores, acabamos perdendo muito com esses últimos governos e conquistas nossas de lutas. Infelizmente, as pessoas às vezes falam assim: vocês vão fazer greve? Vão paralisar? Não existe outra forma. Não existe ganho sem a luta. A minha luta vai ser essa, por aquilo que a gente perdeu, pelos trabalhadores. A luta nossa é por essas pessoas, as classes esquecidas, excluídas, LGBT, negras, negros, os quilombolas.

I44 News: Algum projeto específico?

Professor Evaldo: Eu vejo que hoje a educação é prioridade de tudo. A escola pública está sucateada, ela não tem estrutura, ela não tem pessoal, enquanto a escola privada, como tem um retorno financeiro, tem uma estrutura muito melhor. E quando você vai para o ensino superior (público), porque que ele é bom? Por causa da autonomia das universidades. A verba vem e a própria universidade decide onde isso vai ser aplicado. E o governo está querendo mudar isso, tirar essa autonomia. Uma das minhas lutas principais vai ser sobre a autonomia das universidades, sobre a melhora da educação, porque a gente vai mudar esse país e é através da educação, não existe outro modo.

I44 News: O senhor defende ou teria a intenção de propor esse modelo de autonomia das universidade para as escolas públicas do estado também? Como seria isso?

Professor Evaldo: Seria o ideal. Uma autonomia principalmente financeira. Diretores de escola estão fazendo rifa, vendendo frango, vendendo pizza para as coisas mais simples da escola, como material de limpeza. Então qual estrutura, qual escola vamos ter onde alguém tem que assumir aquilo que é do Estado? Então eu acredito nesta autonomia sim, com responsabilidade, óbvio.

I44 News: Como o senhor vê até o momento o governo do prefeito atual de Campo Mourão?

Professor Evaldo: Eu vejo que o Tauillo é um grande administrador, mas politicamente eu discordo dele, da forma como ele está fazendo. Uma administração que foi defendida como técnica, está longe de ser técnica pelos problemas que nós temos na parte da saúde, educação, trânsito. O grande problema que eu vejo é que se faz projetos para uma cidade para quatro anos. Se ele aceitou ser prefeito de Campo Mourão, então ele que bata no peito e fale: eu vou fazer, a partir de agora é comigo, eu não vou depender daquilo que deixaram de fazer. Se ele teve essa coragem de sair candidato por uma cidade, uma população, não deveria se apegar a coisas do passado.

I44 News: O que deu certo e o que deu errado no governo Beto Richa?
Professor Evaldo: (Risos). Difícil o que deu certo. O que deu certo foi para eles. O governo Beto Richa foi voltado aos seus amigos, aos seus parceiros. O que é triste também, os deputados foram em defesa não de algo para o povo, mas assim: o governo do Paraná precisa ajustar as suas contas! E retira-se dinheiro da previdência dos servidores, aumenta-se os impostos. Você vê que essa responsabilidade fiscal, usou -se isso para fazer as maldades contra o povo. Foi um governo para poucos.

I44 News: O impeachment foi golpe?

Professor Evaldo: Com certeza. Não defendo Lula, Dilma. Fizeram errado? Tem que pagar. A justiça tem que fazer isso. Pra mim, Michel Temer foi usado como boi de piranha. Nós temos que mudar esse país, mas quem falou isso? As pessoas acham que foram os deputados, mas é o capital que fez isso. O capital falou assim: opa, esse país está começando a criar asas, não podemos permitir. A Dilma fez lá uma maquiagem e foi condenada por isso. Michel Temer tem provas, mala de dinheiro, vídeos, gravações. Quem foi punido?

I44 News: Quem são os pré-candidatos do Psol à presidência da República?

Professor Evaldo: Temos Guilherme Boulos, ele é formado em filosofia, português, ciências humanas, professor da Universidade de São Paulo (USP), tem 36 anos, é militante do MTST, Movimento do Trabalhadores Sem Teto. E Sônia Guajajara (pré-candidata a vice), indígena, formada em enfermagem e professora. Todos vão pensar assim: ela é índia, então ela vai só defender os índios? Não! Ela é reconhecida inclusive pela ONU como uma defensora das questões indígenas, mas ela é uma defensora da mulheres, dos negros e negras, LGBT. Os dois têm essa história de lutas e eu acho que é a forma de conseguir alguma coisa neste país.

I44 News: Parte da sociedade considera tanto o Psol quanto o pré-candidato à presidência pelo partido, Guilherme Boulos, autores de ideias radicais, revolucionárias. Isso é verdade?

Professor Evaldo: Não existe luta sem você ir para a rua, sem fazer alguma coisa. Qual o tipo de luta que o pessoal quer: estamos em estado de greve. Há quanto tempo estamos em estado de greve no Paraná? Se resolveu alguma coisa? Nada! Perdemos hora atividade, perdemos direitos, perdemos um monte de coisas? Quando que se ganhou alguma coisa? Quando se foi para a rua, quando se lutou. Mas vem uma sociedade que pune isso que acha isso é errado. Só que ninguém levanta o seu traseiro do sofá para defender uma sociedade, uma comunidade. Infelizmente neste país, tudo hoje é PT. Nós somos contra PT. Nós não acreditamos mais no PT.

I44 News: Qual o principal adversário dos eleitores brasileiros nestas eleições?

Professor Evaldo: Infelizmente o mesmo de sempre. Os políticos que estão no poder e que usam a máquina pública para garantir votos e, claro, o dinheiro.

I44 News: Uma palavra ou frase sobre:

I44 News: Papa Francisco
Professor Evaldo: Uma sumidade.

I44 News: Silas Malafaia
Professor Evaldo: Uma mentira.

I44 News: Donald Trump
Professor Evaldo: Fora da casinha.

I44 News: Aborto
Professor Evaldo: Um direito, uma escolha.

I44 News: Pena de morte
Professor Evaldo: totalmente contrário.

I44 News: Michel Temer
Professor Evaldo: Boi de Piranha

I44 News: Bolsonaro
Professor Evaldo: Alguém que prega a violência, o preconceito.

I44 News: Lula
Professor Evaldo: Um estadista, mas se aliou e vendeu a alma ao diabo.

I44 News: Rede Globo
Professor Evaldo: a mídia mais poderosa deste país, mas que nem sempre fala e mostra as verdades.

I44 News: Agronegócio
Professor Evaldo: Se for voltado para a agricultura familiar, acho ótimo.

Comente

Comentários

Copyright ®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).