Fale Conosco

Arte e Cultura

Morre aos 76 anos Antônio Sena, político e escritor de Goioerê

“Temos a obrigação de lutar pela vida porque ela é graça de Deus, mas não temos o direito de teimar com ele”

Publicado

em

Escritor e ex-prefeito de Goioerê morreu na noite de segunda-feira (11) em hospital de Campo Mourão, onde estava internado

Silvio Walter
Especial para o i44 News

O escritor e ex-prefeito de Goioerê, Antônio Bernardino de Sena Neto, 76 anos, morreu no início da noite de segunda-feira (11) em Campo Mourão. Ele estava internado na unidade de terapia intensiva da Central Hospitalar há cerca de 15 dias. Sena apresentava problemas cardíacos que ocasionaram a falência múltipla dos órgãos.

O velório está sendo realizado nesta terça-feira (12) na Câmara Municipal de Goioerê, onde o prefeito Pedro Coelho decretou luto oficial por três dias.

Nascido na Bahia, em 192, Sena Neto chegou em Goioerê ainda na infância. Na cidade, exerceu a advocacia. Foi vereador e presidente da Câmara Municipal de Goioerê em dois mandatos, prefeito municipal (2001-2004)  e era nome histórico do MBD goioerense, onde estava filiado desde 1970.  Na década de 80, presidiu a Associação das Câmaras de Vereadores da Microrregião Doze (Acamdoze) e no início dos anos 90,  ocupou o cargo de diretor geral do Detran-PR.

Escritor

Além da política, Sena Neto também mantinha paixão pelas letras. Membro do Centro de Letras do Paraná foi autor de seis obras literárias:  “O Porcenteiro”, texto adaptado para o teatro e  com várias premiações nacionais; “Navegar é Preciso”,  título inspirado na obra de Fernando Pessoa; “Histórias que a Vida me Contou”,  primeira coletânea de contos; “Operação Terra Sem Mal”, ficção tendo como pano de fundo o lendário e histórico caminho de Peabiru e “Só o Vento pode Explicar”,  livro que alerta sobre os problemas ambientais que ameaçam o mundo.

Em novembro de 2017,  o politico e escritor esteve em Campo Mourão onde participou de uma noite de autógrafos na biblioteca municipal Prof. Egydio Martello para o lançamento de “Histórias que eu não havia contado”, uma coletânea de contos e crônicas.  Na mesma época, ela percorria escolas da região para um bate-papo com os alunos de escolas da rede pública. As conversas entre autor e leitores estavam inseridas no  projeto “Pé de Livro”, idealizado por ele para incentivar a leitura.

Ainda lúcido, nos últimos dias, ele fez uma reflexão existencial para amigos que o acompanhavam na unidade hospitalar . “Temos a obrigação de lutar pela vida porque ela é graça de Deus, mas não temos o direito de teimar com ele”.

Comente

Comentários

Copyright ®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).