Fale Conosco

Copa do Mundo 2018

Ainda tímida, Campo Mourão começa a entrar no clima de Copa do Mundo

Vitória da seleção teve bares lotados e policiamento ostensivo no Centro para pouco trânsito

Publicado

em

A vitória da seleção brasileira sobre a Sérvia, por dois a zero, deixou Campo Mourão, finalmente, com cara de Copa do Mundo, ainda que de forma reservada. Diversos comércios baixaram as portas na cidade, inclusive fora da região central, algo que, até então, não havia ocorrido durante as partidas. Depois da partida, foram raros os comércios – a reportagem contou seis empresas, a maioria farmácias – que retomaram o atendimento.

Campo Mourão ficou esvaziada e silenciosa durante os 90 minutos – barulhos, só com os gritos das jogadas de risco e os berros e rojões após os gols do Brasil. Alguns bares, como o Italiano, ficaram lotados de torcedores.

“Não convence”

A seleção jogou bem, mas não o suficiente para convencer o estudante Dione Souza, 21. “Nunca acreditei na seleção do Tite“, revela. Filho de um paraguaio com uma brasileira, o estudante assistia ao jogo vestindo a camiseta da seleção do Paraguai, “que infelizmente não foi classificada”.

Garantindo que há outros times com qualidade superior ao Brasil, Souza prevê que será impossível faturar o mundial desta vez. “Mas dá para ficar entre os quatro primeiros“, arrisca.

Comemoração antecipada

Acompanhando sua segunda Copa, a estudante Indianara Almeida, 24, não abriu mão da cerveja gelada e da companhia das amigas. No bar, celebrou os gols da seleção acompanhando os lances pelo telão. E, diferentemente de outros torcedores, poupou os jogadores e o treinador de críticas ofensivas. Após a vitória – e algumas cervejas -, a estudante era só elogios. “Jogaram super bem e vão ganhar, sim, a Copa do Mundo”, garante.

No bar do Italiano, Vitor Castro, 21, pôde testemunhar um ponto positivo da seleção, e que pode mudar o rumo dos jogos daqui em diante. “O Neymar parou de cair por qualquer coisa“, avalia, aliviado.

A nova postura do jogador é algo necessário para que o Brasil possa ter chances reais de faturar o título – algo que, segundo o estudante, não é impossível. “Ele não estava jogando bem nas outras partidas, mas não dá para tirá-lo: não tem ninguém no mesmo nível que o Neymar.”

Policiamento pós-vitória

Após o jogo, equipes do 11º Batalhão da Polícia Militar (BPM) fizeram uma operação na região central da cidade. Agentes bloquearam os sete retornos da Capitão Índio Bandeira, entre as ruas Harrison José Borges e Santa Cruz. Apesar do reforço do policiamento, o trânsito de veículos na avenida foi reduzido em comparação à comemorações de outros jogos na cidade, inclusive em campeonatos nacionais.

 

 

Comente

Comentários