Fale Conosco

Educação

Na UTFPR, projeto “Analis Ohara” confirma previsão do cantor Kiko Zambianchi

Semeadas pela jovem. que morreu prematuramente, “sementes” do conhecimento caíram em solo fértil

Publicado

em

Quando esteve em Campo Mourão, no final de julho, para homenagear Analis Ohara – atriz, agitadora cultural, ambientalista  e amiga pessoal – o cantor Kiko Zambianchi fez questão de dizer que o trabalho iniciado por

ela em vários setores da Cultura, “são sementes que vão gerar árvores enraizadas e grandes frutos”.

Kiko tinha razão. As “sementes” lançadas por Analis –  falecida em julho de 2017, vítima de um tumor cerebral – foram semeadas em terreno fértil.

Após os primeiros frutos – representados por uma ação de professores e alunos curso de Turismo e Meio Ambiente da Universidade Estadual do Paraná (Unespar) para arrecadação de livros infantis para equipar uma biblioteca municipal -, as ações da jovem inspiraram agora um novo projeto que tem o objetivo de arrecadar livros infantis para escolas da rede estadual.

O “Projeto Analis Ohara” está sendo desenvolvido pelo Centro Acadêmico de Engenharia Civil (CAEC) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), no campus de Campo Mourão. 

Os estudantes prepararam várias caixas coloridas para arrecadação e espalharam em pontos estratégicos da universidade.Logo no início da ação,  – iniciada em 5 de novembro – o projeto motivou a comunidade escolar a fazer as doações.

Entre as obras arrecadadas até agora, constam livros de autores consagrados para o público infantil – como Ana Maria Machado e Monteiro Lobato -, além de gibis e publicações focadas para preservação do Meio Ambiente, direcionadas as crianças.

De acordo com Murilo Verri, presidente do CAEC da UTFPR, as doações não estão restritas ao ambiente universitário. Qualquer pessoa que possua livros infantis, em bom estado, podem se dirigir ao campus da UTFPR e depositar os livros nas caixas coloridas. O projeto segue até o final deste mês.

Todo o material doado será repassado à bibliotecas de escolas públicas estaduais. Com apoio do NRE, estã sendo identificadas as instituições de ensino que apresentar maior deficiência na oferta de livros infantis em sua bibliotecas.

Em setembro, os livros arrecadados durante o evento “Domingo no Lago Especial – Tributo à Analis Ohara”, que teve a apresentação gratuita de Kiko Zambianchi na concha acústica que tem o nome da atriz, foi repassado para a Escola Narciso Simão, localizada no distrito de Piquirivaí.

Faltam livros nas bibliotecas

Há quatro anos, as escolas públicas estão tendo dificuldades para repor novos livros nas estantes, principalmente de literatura infantil. A maior parte do acervo sempre foi repassada pelo governo federal.

No entanto, a última remessa de livros feita pelo Ministério da Educação (MEC) para toda a rede ocorreu em 2014. A partir daquele ano o programa que garantia a compra e a entrega não foi mais executado.

O período recente sem que o PNBE fosse executado coincidiu com a aprovação da valorização da literatura nas diretrizes curriculares. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino fundamental, aprovada em 2017, incluiu “Educação Literária” e a “Leitura” como eixos da área de linguagens.

De acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, do Instituto Pró-Livro, as bibliotecas escolares são a principal forma de acesso aos livros para 18% da população.

A pesquisa mostrou que esses espaços são largamente aprovados por seus frequentadores, mas 41% deles diz não encontrar nelas todos os livros que procura.

Comente

Comentários

Copyright®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).