Fale Conosco

Comportamento

Em ato de honestidade, frentista em Luiziana devolve gorjeta que recebeu por engano e vídeo viraliza

No dia seguinte, Gean Lucas, 20 anos, devolveu dinheiro ao empresário, que se surpreendeu com o comportamento do jovem

Publicado

em

Uma história de honestidade protagonizada por um frentista de um posto de combustíveis em em Luiziana (a 32 km de Campo Mourão), que devolveu R$ 100 a um motorista que lhe deu o dinheiro por engano, viralizou nas redes sociais e tem rendido elogios ao comportamento do jovem. Um vídeo publicado no Facebook pelo empresário que deu a gorjeta ao jovem está com mais de 1,5 milhão de visualizações e tem funcionado como alento ao pensamento “ainda é possível acreditar no ser humano”.

Gean Lucas dos Santos, 20 anos, que trabalha em um posto na BR-487, recebeu uma gorjeta R$ 107 de Dilvar Campos, morador de Chapecó (SC). No entanto, a intenção do empresário era reconhecer o bom atendimento do frentista com R$ 9, mas acabou confundindo uma nota de R$ 2 com uma de R$ 100.

O frentista disse que não conferiu o dinheiro, fez outro atendimento e depois colocou a mão no bolso para ver quanto o empresário havia lhe dado. Ao perceber que tinha uma nota de R$ 100, ele foi atrás de Dilvar, que estava indo para São Paulo, mas o carro já estava no asfalto.

Segundo Gean, o dinheiro ficou guardado no caixa do posto e ele combinou com colegas de trabalho que se o motorista retornasse ele devolveria os R$ 100. Caso contrário, o dinheiro seria dividido ou gasto em produtos para os funcionários na loja de conveniência.

No dia seguinte, Dilvar voltou ao posto para abastecer na viagem a Chapecó e Gean o atendeu novamente, mas jovem não reconheceu o empresário que estava com outro veículo. “Ele até brincou comigo: ‘não reconhece os clientes?’”, disse.

O jovem lembrou e depois de abastecer o carro foi ao caixa pegar os R$ 100 para devolver. “Olha amigo, seu dinheiro ai. Tenho uma coisa para falar que não vai acreditar. O senhor me deu R$ 100 de gorjeta por engano e estou devolvendo”, disse Gean ao motorista.

O empresário gravou um vídeo com Gean para registrar o ato de honestidade do frentista. “Para quem acha que não existe gente honesta, está ai. Tem gente honesta no mundo. Eu ganhei o dia”, afirma Dilvar no vídeo.

O empresário não aceitou o dinheiro de volta. Na publicação em sua página no Facebook, Dilvar escreveu: “atitudes como essa me enchem de esperança. Ainda há pessoas honestas neste mundo!”

Gean diz que revolveu devolver os R$ 100 ao empresário porque desde pequeno ouvia o pai e a mãe falarem em casa que não é correto se apropriar do dinheiro alheio, de levar vantagem indevida. “O dinheiro não era meu, então devolvi”, afirmou.

O frentista afirma que pensou também que os R$ 100 poderiam fazer falta ao motorista que atendeu, tratou-lhe bem e quis agradecê-lo pelo atendimento recebido no posto com “dinheiro para o café”. “Sinto-me tranquilo porque fiz a coisa certa.”

Exemplo

Gean trabalha há 1 ano de frentista no posto e mora no distrito de Borbônia, no município de Barbosa Ferraz. É filho de um trabalhador rural e uma empregada doméstica e tem seis irmãos.

Ele nasceu no Paraguai e se mudou para a região com os pais quando era criança. O rapaz leva um vida simples em Borbônia, local onde também mora a namorada Victória Carolina, 19 anos, que é professora em uma creche e faz faculdade de História.

Gean afirma que começou a trabalhar cedo, quando tinha 11 anos, para ajudar o pai que ganha por diárias como trabalhador rural. “Eu não tenho muita coisa, sou pobre, mas o dinheiro dos outros não é meu.”

O frentista recebeu o reconhecimento de clientes e colegas de trabalho. O proprietário do estabelecimento recebeu ligação de um executivo da Ipiranga no Rio de Janeiro para parabenizar a atitude do funcionário. “As pessoas estão me parabenizando, tem gente que passa e elogia. Mas pra mim é normal devolver o dinheiro”, afirmou.

De acordo com o gerente do posto, Lourenço Fernandes da Cruz, 45 anos, o ato de Gena não foi um rompante de honestidade, porque ele tem bom caráter e é funcionário dedicado. “É simples, atencioso, responsável e honesto de verdade”, disse.

Amigos, familiares e colegas de trabalho enxergam Gean como alguém de bom coração. O irmão dele, Genilson dos Santos, 18 anos, que trabalha no restaurante do posto, afirma que ele é humilde. “De todos os irmão é o que tem o coração mais bondoso”, disse.

Comente

Comentários

Copyright®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).