Fale Conosco

Economia

Campo Mourão tem saldo negativo de 46 empregos em junho, aponta Caged

Nesta quinta-feira, Agência do Trabalhador tinha oferta de nove vagas

Publicado

em

O motorista Vanderlei Fonseca, 37 anos, tem saído diariamente há 5 meses em busca de emprego em Campo Mourão e retornado para casa frustrado. As vagas são poucas. O cenário do mercado de trabalho local não é animador. O município registrou em junho saldo negativo de 46 postos de trabalho com carteira assinada, resultado de 601 admissões e 647 demissões, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgado nesta quinta-feira (25) pelo Ministério da Economia.

No acumulado do primeiro semestre, o desempenho foi de 216 postos de trabalho, com 4.552 contratações e 4.336 deligamentos. Nos últimos 12 meses encerrados em junho, o saldo é de 814 vagas formais em Campo Mourão.

Fonseca foi na manhã desta quinta-feira (25) à Agência do Trabalhador de Campo Mourão para conferir as vagas disponíveis e pelo menos hoje a lista colocada em um mural na entrada estava desanimadora.

O anúncio era de nove vagas para analista de marketing, farmacêutico, doméstica, mecânico diesel, montador de móveis, personal trainer, soldador de máquinas pesadas, técnico mecânico e torneiro mecânico. “Estou batalhando todo dia, mas está muito difícil. O que achar tem que encarar para sustentar a família”, disse Fonseca.

Complicado também para Valdeir Leonardo da Silva, 44 anos, que mora em Peabiru e vem a Campo Mourão procurar trabalho quase que diariamente. O emprego mais recente com carteira assinada foi há 5 anos, de auxiliar de serviços gerais em uma faculdade. De lá pra cá, apenas diárias como servente de pedreiro e serviço braçal. “Tem pouca vaga e muita gente concorrendo. Está muito difícil”, afirmou Silva.

Tem trabalhador que está começando a jornada em busca por emprego na cidade. Paula Cremonese, 27 anos, de manhã, foi dar entrar no seguro-desemprego na Agência do Trabalhador e aproveitou para ver as vagas abertas pelas empresas.

Ela foi demitida no último dia 11 do emprego de repositora de mercadorias em um supermercado onde trabalhou 5 anos. Faz faculdade de agronegócio e quer arranjar uma colocação na área. “Espero conseguir logo porque não dá para ficar parada. Mas aqui em Campo Mourão está complicado emprego”, diz Paula.

De acordo com o Caged, o setor com pior resultado em junho no município foi o comércio, que registrou saldo negativo de 63 postos de trabalho – 176 admissões e 239 demissões no mês.

O setor da construção civil teve o melhor desempenho mês passado, com a criação líquida de 15 vagas formais. Foram 67 admissões e 52 desligamentos no período, segundo dados do Caged.

Paraná e Brasil

O Estado fechou junho com saldo de 158 empregos com carteira assinada – 90.992 admissões e 90.834 desligamentos. No primeiro semestre, o Paraná gerou 40.022 vagas, o que corresponde a uma variação de 1,54% em relação ao mesmo período de 2018 e a 629.437 contratações e 589.415 demissões.

No Brasil, a criação de empregos formais chegou a 48.436 no mês passado. O saldo positivo é a diferença de 1.248.106 admissões e 1.199.670 desligamentos ocorridos no período.

O desempenho de junho foi o melhor para o período desde 2013, quando, no mesmo mês, foram geradas 123.836 vagas. No primeiro semestre deste ano, foram criados 408.500 postos de trabalho, o maior saldo para o período desde 2014.

Comente

Comentários

Copyright®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).