Fale Conosco

Política

Tauillo diz que é perseguido por promotor por ‘motivação política’; associação reage

Prefeito acusou ainda o MP de “midiático”

Publicado

em

O prefeito de Campo Mourão, Tauillo Tezelli (Cidadania), acusou o promotor de Defesa do Patrimônio Público, Marcos José Porto Soares, de indiciá-lo em ações de improbidade administrativa motivado por “política”, “perseguição pessoal” e ações “midiáticas”.

O prefeito publicou o texto, que ele intitulou “Carta aberta aos Mourãoenses”, em seu perfil pessoal na quinta-feira (25), mesmo dia em que a comunicação do MP-PR (Ministério Público do Paraná) divulgou que a Promotoria ingressou com ação de improbidade administrativa contra ele, o secretário de Saúde, Sérgio Henrique dos Santos, e a ex-titular da pasta, Rosimeire do Carmo Martelo Cruz, por contratação irregular de médicos.

Em agosto e setembro deste ano, o promotor de Defesa do Patrimônio Público ingressou na Justiça com três ações contra o prefeito e secretários municipais. Os outros dois processos são por suspeitas de fraudes na licitação do lixo e em leilão para venda de árvores do município a uma madeireira.

Segundo o prefeito, as ações também são “descabidas e absurdas” e que coincidentemente ou não “começaram após o principal assessor da Promotoria passar a fazer um programa de rádio na cidade, trabalhando ao lado do ex-procurador do município na gestão anterior e do ex-vice-prefeito, adversário derrotado na campanha de 2016, e declarado pré-candidato às eleições do ano que vem”.

O programa ao qual o prefeito se refere é o “Hora do Café”, na Rádio Colmeia (89.7 FM), aos sábados, com o ex-vice-prefeito e empresário, Rodrigo Salvadori, o advogado e ex-procurador do município, Márcio Berbet, e o oficial de Promotoria, Tassio Denker.

Denker afirmou que é servidor público concursado, oficial de Promotoria que desempenha funções burocráticas, sem acesso a méritos de ações e lotado na Promotoria de Defesa do Meio Ambiente. Desde de 2015, ele não desempenha a função de assessor na Promotoria de Defesa do Patrimônio Público.

Segundo Denker, ele foi convidado a participar do programa por ter um canal no Youtube em que faz a divulgação de conhecimentos científicos do Direito.

Rodrigo disse que está empenhado em fazer cursos de gestão pública e não dispõe de tempo para comentar “picuinhas” do prefeito que é alvo de ações por improbidade administrativa do MP-PR. Berbet preferiu não comentar as declarações de Tauillo.

Abuso de autoridade

Tauillo disse ainda na publicação na rede social que a denúncia de contração irregular de serviços médicos é mal formulada e infundada, e insinuou ser abuso de autoridade da Promotoria. “Será que seria proposta [a ação] se já estivesse em vigor a nova Lei de Abuso de Autoridade?”, escreveu.

Nesta semana, uma frente que reúne associações de procuradores e juízes informou que pretende questionar no STF (Supremo Tribunal Federal) trechos da lei sobre abuso de autoridade por entender que projeto prejudica o “combate à impunidade, à criminalidade e a ilegalidades” no país.

Na terça-feira (24), o Congresso Nacional derrubou vetos feitos pelo presidente Jair Bolsonaro a 18 dispositivos. Punições para agentes públicos previstas na versão votada em agosto e vetadas posteriormente pelo presidente foram restabelecidas pelos parlamentares.

A assessoria de imprensa do MP-PR informou que o promotor de Defesa do Patrimônio Público de Campo Mourão está em férias e não conseguiu contato com ele nesta quinta-feira (26) para se posicionar sobre as declarações do prefeito.

APMP

A Associação Paranaense do Ministério Público (APMP) reagiu em relação aos ataques ao promotor e, em nota, afirmou que a entidade confia no trabalho responsável de Marcos Porto Soares pelas ações ministeriais e no seu histórico de atuação firme e independente, sempre observando os parâmetros legais, na defesa da probidade administrativa.

Sem condições financeiras

Em outra ação civil pública de improbidade administrativa ajuizada pela Promotoria contra Tauillo e os ex-prefeitos Regina Dubay (PR) e Nelson Tureck (Podemos), pela prefeitura deixar de arrecadar R$ 2,7 milhões de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) entre 1998 e 2014 por não executar dívidas de contribuintes, o prefeito alegou não ter condições financeiras para pagar R$ 3,7 mil para fazer um perito.

A Promotoria, em agosto, reforçou o pedido para que o prefeito pague a perícia que ele mesmo solicitou para poder dar andamento ao processo.

Nas eleições municipais em 2016, Tauillo declarou ao TJ-PR (Tribunal de Justiça do Paraná) possuir R$ 20,9 milhões em bens, entre um apartamento em São Paulo, créditos de empréstimos e quotas ou quinhões de capital.

Licença e dívidas

O prefeito está afastado da prefeitura desde o dia 13 de setembro. Ele pediu licença de 30 dias para, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, cuidar de compromissos particulares e fazer exames médicos.

Além das ações por ato de improbidade administrativa, Tauillo está em meio ao processo de recuperação judicial da Fertimourão, empresa da qual é proprietário, com dívidas superiores a R$ 120 milhões e uma lista de 349 credores, conforme dados da administração judicial.

Um dos credores, um agricultor de Mamborê, conseguiu na Justiça penhorar 20% dos salário do prefeito para quitar uma dívida de 155,1 mil. A exemplo de dezenas de agricultores, ele entregou a produção à empresa e não recebeu.

Comente

Comentários

Copyright®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).