Fale Conosco

Polícia

Número de homicídios em Campo Mourão chega a 17 e se aproxima do total em 2018

Maioria dos casos tem ligação com o tráfico de drogas, diz delegado

Publicado

em

A quantidade de homicídios registrados neste ano em Campo Mourão chegou a 17, com mais um caso no domingo (27), de um homem que invadiu uma chácara para tentar roubar e foi baleado pelo proprietário. O número está próximo do total de assassinatos em 2018 (18), mas já é maior que em 2017 e 2016 (16 casos em cada ano).

O delegado-chefe da 16ª Subdivisão Policial de Campo Mourão, Nilson Rodrigues da Silva, diz que o número de homicídios “está na média” e que a situação “está controlada”, levando-se em consideração a população de 94.859 habitantes, conforme estimativa de 2019 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). “Bom seria zero, mas isso não existe”, disse Silva.

Segundo o delegado, na madrugada de domingo, Valdir da Luz, 46 anos, conhecido como “Dentinho”, invadiu a propriedade no Jardim Ipanema armado com uma faca, uma chave de fenda e usava luvas cirúrgicas.

O morador, um PM aposentado, efetuou três disparos e um atingiu Valdir. “ O fato está sendo apurado por se tratar de homicídio, mas com atenuante de legítima defesa do proprietário da casa. Quem morreu era esclarecido no mundo do crime”, disse o delegado.

Conforme a Polícia Civil, Valdir respondia a oito inquéritos pelos crimes de furto qualificado, associação para o tráfico de drogas, tráfico de entorpecentes, roubo, dano e tentativa de fuga do minipresídio da 16ª SDP.

De acordo ainda com a Polícia Civil, Valdir foi preso pelo menos duas vezes somente neste neste ano e havia saído da cadeia no dia 19 de agosto.

O delegado afirma que dos 17 homicídios neste ano, 14 foram esclarecidos, e que a maioria dos casos tem ligação com o tráfico de entorpecentes. Silva considera o incide baixo. “Queremos que fique por ai. Trabalhamos para isso, embora não é possível saber onde vai ocorrer o homicídio. Existe o patrulhamento ostensivo em vias públicas”, diz.

Conforme o delegado, cerca de 90% dos 230 presos do minipresídio da 16ª SDP – a unidade prisional tem capacidade para 68 detentos – têm envolvimento com o tráfico de drogas. “O crime é a bola da vez.”

No final de agosto, nos dias 30 e 31, Campo Mourão registrou três homicídios e foi um dos finais semana mais violentos na cidade. Dois assassinatos no sábado ocorreram em um intervalo de pouco mais de 2h.

Na Polícia Civil, diz o delegado, o número de investigadores deveria aumentar de 15 para 25. Na Polícia Militar, o comandante do 11º Batalhão, tenente-coronel Julio Cesar Vieira da Rosa, afirma que houve diminuição de 32% do efetivo desde julho de 2017.

Comente

Comentários

Copyright ®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).