Fale Conosco

Vida Animal

Zé Calopsita canta hino no Flamengo e faz ‘fiu fiu’ para as mulheres

Dono diz que se ela cantar pouco antes do jogo do time carioca é ‘vitória certa’

Publicado

em

Perto das 6h30, antes das badaladas dos quatro sinos da catedral São José Operário bater, em Campo Mourão, Zé Calopsita está na ativa. Assobia a parte inicial do hino do Flamengo que aprendeu ouvindo no computador outra ave da mesma raça cantando em vídeo no YouTube.

Nesta terça-feira (17), pouco antes do Flamengo entrar em campo para enfrentar em Doha, no Catar, o Al Hial pelo Mundial de Clubes, o comerciante Munir Karim, 50 anos, espera que Zé Calopsita cante o hino do rubro-negro. “Quando ele canta antes do jogo pode saber que o Mengão vai arrebentar”, disse.

Zé está na família de comerciantes há 5 anos. O filho de Munir queria um passarinho e ele ou levou. A ave amarela, com as “bochechas” alaranjadas, é uma das alegrias da casa. “É amigo, parceiro e faz parte da família.”

Segundo Munir, Zé aprendeu a assobiar “uma fez Flamengo, sempre Flamengo. Flamengo eu hei se ser… Uma vez Flamengo. Flamengo até morrer” na loja de brinquedos da família na região central de Campo Mourão.

Munir colocava a ave próxima no caixa, próxima ao computador, e no som uma calopsita cantando o hino do time carioca. Zé foi pegando o jeito e passou a assobiar também o hino rubro-negro.

De acordo com o comerciante, uma funcionária da loja também ensinou Zé a fazer “fiu-fiu” e ele começou a assobiar para as mulheres. Munir diz que precisava falar para as clientes que iam pagar mercadorias que quem estava mexendo com elas era o Zé. “Fazia ela ver que era a calopsita que estava assobiando e não eu”, afirmou.

Irritado

Mas o relacionamento de Zé com Munir mudou depois que o bicho foi levado para a casa de uma amiga da família para encontrar uma fêmea para ter filhotes. A ave ficou uma semana e retornou diferente.

Zé está arredio com Munir. Fica irritado quando homem chega perto da gaiola. As penas levantam e ele anda bravo de um lado para o outro. “Com mulher, ele mexe, assobia. Passou homem, ele quer furar a gaiola”, diz Munir.

O comportamento de Zé com Sibelle Dayeh, 41 anos, esposa de Munir, é diferente. Com ela, Zé fica mais calmo e canta. “Quando ele vê uma amiga nossa chegar em casa já começa a cantar”, diz.

Munir afirma que dias depois de Zé retornar da aventura amorosa a dona da outra ave descobriu que a calopsita é macho. Agora, Zé, que ficava no ombro de munir e na loja de brinquedos, não quer mais sair da gaiola e de muita interação com ele. “Temos que fazer alguma cosia para mudar isso”, disse Munir.

Comente

Comentários

Copyright®i44 News. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do i44 News (redacao@i44.com.br).