Fale Conosco

Cidade

Justiça manda Torynno desocupar instalações da Fertimourão

Arrendatária da empresa falida do prefeito Tauillo Tezelli tem prazo de 30 dias

Publicado

em

A Justiça de Campo Mourão determinou a desocupação em 30 dias pela Torynno Agro Comércio e Exportação dos imóveis da Fertimourão Agro, de propriedade do prefeito Tauillo Tezelli (Cidadania), e a destituição de Vadeci da Silva Souza do encargo de fiel depositária de bens.

A Fertimouão teve a falência decretada pela Justiça neste ano. A dívida da empresa é superior R$ 116 milhões. São mais de 120 credores, entre produtores rurais, cooperativas, bancos, advogados e empresas.

A decisão da juíza Luzia Terezinha Grasso Ferreira, da 2ª Cível de Campo Mourão, suspende o contrato de locação entre a Torynno e a Fertimourão e determina que os bens depositados nos imóveis não podem ser retirados pelas empresas.

Segundo a decisão, os bens devem ser removidos dos barracões locados e transferidos para um depositário público sob responsabilidade do administrador judicial para pagamento dos credores.

Um dos credores da Fertimourão, Antônio Francisco Aparecido Médice, relatou à Justiça parceria da falida com Vadeci, proprietária da Torynno, razão pela qual ela não deve figurar como fiel depositária dos bens.

Em setembro, uma ação de busca e apreensão na Torynno constatou o desmanche de 25 veículos em nome da Fertimourão e de Tauillo, que constam na lista de bens declarados no plano de recuperação judicial da empresa.

O pedido de verificação dos veículos foi apresentado por um dos credores por Médice. Diante da alegação do credor que existem bens oriundos de desmanche de peças de propriedade da Fertimourão depositados em diversas localidades, a juíza orientou o MPPR (Ministério Público do Paraná) tomar medidas cabíveis na esfera criminal se for o caso.

A Justiça também já decretou a indisponibilidades dos bens da Torynno. Na decisão houve reconhecimento de indícios de que a empresa e a Fertimourão fazem parte de um mesmo grupo econômico.

Tauillo já foi denunciado pelo MPPR por crime falimentar por supostas fraudes cometidas durante a recuperação judicial da Fertimourão.

Comente

Comentários